28 de maio de 2017

Disco de estado sólido - SSD - Cuidado! Você pode estar sendo enganado, veja isto antes que seja tarde demais!

Um disco SSD danificado, pode se parecer e muito com um SSD bem útil e vívido, mas a realidade é que muitos deles são vendidos por aí como se fossem SSD comuns, mas enganam muitos usuários, pois sua durabilidade é muito baixa, e por apresentarem boas taxas de transferências quando pouco utilizados.

Os discos de estado sólido, baseados na conexão SATA, são baseados em um esquema de vários chips soldados em uma placa, controlados por um chip do tipo RAID embarcado, que emula um único disco para o sistema operacional, mas a realidade é que é bem diferente disto.

Um disco SSD possui vários "discos" e ainda acima da camada visível, cada chip possui ainda diversas pilhas de células NAND Flash, que é onde os dados são armazenados.


Conforme o tempo, as entradas passam a ficarem oxidadas, e uma deterioração conforme o uso acontece nas células que armazenam os dados, que nada mais é que uma célula de elétrons.

Porém, há unidades que são comercializadas no mercado em geral, que já são vendidas danificadas, mas ninguém percebe que ela está realmente danificada ou não.

Isto acontece porque em geral, a maioria dos usuários instala o sistema operacional e utiliza para algumas outras atividades mas nunca chega a testar efetivamente se a unidade está entregando a velocidade real determinada pelo fabricante.

Um simples teste de copiar e colar arquivo, faz claro detectar se a unidade possui algum tipo de defeito ou não.

O SSD danificado, ou pen-drive danificado, geralmente começa a gravar informações a uma velocidade em geral muito superior, e conforme a cópia acontece, a velocidade de gravação cai drasticamente, para míseros 5 MB/s.

O efeito ocorre porque muitas células onde os dados estão armazenados, precisam passar por um processo normal chamado de recuperação, que é quando a célula possui poucos elétrons e precisa ser recarregada para manter a informação íntegra conforme o tempo.

Isto também ocorre com discos SSD que ficaram muito tempo desligados ou parados dentro de notebooks sem utilização, pois o disco de estado sólido, foi feito para trabalhar constantemente em alta velocidade, e ficar parado, não é da sua engenharia.

Entretanto, a capacidade dos discos de estado sólido manterem a informação, e as células não precisarem de um "refresh" como a memória RAM do computador precisa constantemente, cada fabricante possui técnicas que conseguem manter os dados por mais tempo que outros, e apesar de alguns não informarem de quanto é este tempo, vemos na internet muitas pessoas com esta dificuldade, vendo que o disco não está trabalhando na velocidade que esperava.

Há de se perceber que estes discos foram danificados, e ocorre um intensivo uso de disco mesmo que o mesmo não esteja em uso, pois a controladora do SSD está ativamente tentando recuperar as células, para manter as informações gravadas, mas por mais que ela se esforce, as células continuam a se oxidar e perder capacidade de reter os dados, e começa ocorrer uma infestação de bad-blocks interno na unidade, mas estes jamais são entregues ao sistema operacional.


O disco testado foi da fabricante PNY, só ganha de disco rígido na leitura sequencial, mas perde muito de alguns discos rígidos em todos os outros quesitos, como gravação, leitura e gravação com 4K.

Há alguns rumores também que os fabricantes colocam diferentes tipos de chips NAND em seu interior, enviando apenas aqueles com melhores chips para sites de benchmarks, pois recebem unidades gratuitamente para exibir os resultados aos usuários. Consulte a fonte aqui.

É comum ver bons benchmarks de discos de estado sólido por toda a internet em sites de hardwares, mas todos estes sites grandes, não pagam pelos discos, são fornecidos gratuitamente pelos fabricantes em troca de divulgação, mas que pode ser uma manipulação em troca de um aumento das vendas.

De acordo com os rumores, estes 2 discos abaixo, um deles possui módulos NAND síncronos, de melhor qualidade, enquanto que o segundo, fabricado após o início da primeira leva, utiliza chips NAND assíncronos de baixa qualidade.

Unidade de disco com serial iniciado por: 505A


Unidade de disco com serial iniciado por: 506A, encontrado em sites como produto com velocidade de operação bem inferior ao primeiro.

Mesmo a versão 505A sendo o mais rápido, um teste de um usuário na internet, mostra que ele ainda é muito mais lento que os benchmarks de alguns sites famosos por aí:


Mas apesar dos valores serem bem abaixo do esperado, não chega perto do PNY que encontramos com defeito, sendo vendido como um disco comum, e possivelmente, haja vários usuários com o mesmo problema, levando gato por lebre.

Há alguns itens para serem considerados, antes de mais nada, vamos aos detalhes principais:

1. Conexão com o disco - Sata III

Verifique se o cabo SATA do disco de estado sólido está danificado, ou com pontas oxidadas, na dúvida, substitua os cabos e certifique-se de ligar o mesmo em uma porta SATA III para que não haja problemas quanto a velocidade.

2. Verifique o suporte a AHCI na BIOS

Entre na SETUP do computador, e verifique se o disco está configurado para utilizar o padrão de comunicação IDE ou AHCI. Prefira o modo AHCI que é muito mais rápido que o padrão anterior.



Modo AHCI garante que todo potencial de velocidade do SATA seja utilizado, evitando gargalos de comunicação devido o protocolo utilizado.


3. Tamanho do setor / Alinhamento de partição

No Windows XP, o disco rígido é considerado sua menor unidade de alocação com 512 bytes de tamanho, que é o mesmo tamanho da MBR. Com isto, o disco formatado possui fisicamente os 512 bytes da MBR e logo após, o início da partição contendo a NTFS. Se a mesma estiver com o padrão de 4 Kb por setor, os primeiros 512 bytes físicos deslocam a partição para frente, ficando fora do lugar.

Por mais que tenha visto estas etapas, e ainda esteja sofrendo com a velocidade muito baixa do SSD, beirando a velocidade de um simples pen-drive, muito bem, é bem possível que seu SSD esteja danificado, ou com chips NAND realmente de péssima qualidade, e é isto que os fabricantes estão escondendo de você, hoje, agora, neste momento.


Este disco acima, foi testado pela nossa equipe, nós adquirimos um produto igual, para realizar alguns testes de performance. Compramos um disco já utilizado, com um preço "amigável" no Mercado Livre de alguém querendo se desfazer do produto.

O benchmarks dele já exibimos aqui:


Realmente a performance dele é péssima, beirando o colapso, mas o mesmo modelo, em sites de review e benchmark, mostra-se com um desempenho muito superior:

Conforme este site, o benchmark foi sensacional:


O mesmo disco alcançou velocidades de escrita 38x maiores que o disco que realizamos em nossos testes, nada mal não é mesmo?

Neste outro site, um usuário reporta que seu SSD do mesmo modelo, tem gravação em torno de 2 MB/s, enquanto a leitura sequencial é de 400 MB/s, conforme este teste:



O que sugerimos nestes casos, é que faça o teste o quanto antes, e se ainda está na garantia, utilize-a para recuperar seu investimento o quanto antes, não fique com uma unidade com defeito achando que é problema do além, ou do seu barramento SATA, ou do seu processador, sim, o problema é nos chips NAND, e não precisa ser super especialista para saber que velocidades tão baixas, cheiram espécies de enganação com os usuários.

Não confiem em sites de benchmarks que são financiados pelas próprias empresas e fabricantes em troca de anúncios. O site Tutorial TI não possui nenhum vínculo com nenhuma empresa e/ou fabricante de hardware, e não ganha nenhum centavo com indicações ou porcentagem de venda de produtos de fabricante X ou Y, somos totalmente independentes, com o compromisso somente com os nossos leitores do site.

Comente aqui se você também possui um SSD lento, se possível com a marca e modelo, e as taxas de velocidade obtidas.

Espero ter ajudado quem esteja com estes mesmos problemas.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Deixe seu comentário abaixo e curta Tutorial TI no facebook!